5 mitos comuns sobre a dependência química

Ao longo da história da humanidade, substâncias que alteram a mente foram usadas de várias formas em quase todas as culturas conhecidas.

E onde quer que drogas ou álcool pudessem ser encontrados, também poderiam surgir problemas de indivíduos vítimas da intoxicação.

O vício não é um problema novo ou repentino em nossa sociedade e, portanto, nossas percepções sociais do vício geralmente incluem remanescentes dessas definições mais antigas que se manifestam como estigmas e mitos.

É hora de falar sobre alguns dos mal-entendidos comuns que cercam o vício e trazer essas percepções para uma luz moderna e mais precisa. Confira!

O vício é uma escolha

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, os transtornos por uso de substâncias como dependência de drogas ou alcoolismo são caracterizados especificamente por uma falta de escolha.

Indivíduos que lutam contra o vício estão lidando com uma compulsão: um impulso subconsciente para usar drogas ou álcool, apesar do conhecimento consciente de que é prejudicial. A compulsão vem de um desequilíbrio químico no cérebro, cujas causas podem variar, mas que geralmente também estão além do controle do indivíduo viciado.

Um histórico familiar de abuso e o meio ambiente são fatores significativos, como negligência ou abuso na infância, crescer em torno do uso normal de substâncias ou trauma, como combate ou agressão sexual, podem levar a um risco aumentado de dependência.

Mesmo nos casos em que um indivíduo conscientemente começa a usar substâncias viciantes, o vício não se instala intencionalmente ou imediatamente. À medida que um hábito de drogas ou álcool se desenvolve, o cérebro do indivíduo muda lentamente para depender da substância, o que, por sua vez, causa a compulsão característica e tira a capacidade de uma pessoa de escolher quando, como ou se usa drogas ou álcool.

O vício só acontece com certos tipos de pessoas

Alguém pede para você imaginar um “viciado”. Que imagem vem à mente primeiro? A mídia popular pode ter moldado o tipo de pessoa que você associa ao abuso de drogas e álcool.

Talvez o indivíduo que você imagina esteja envolvido em atividades criminosas, tenha crescido em um bairro “ruim” ou esteja em desvantagem socioeconômica.

É importante criticar esses estereótipos, não apenas porque eles podem levar a preconceitos ou estigmas, mas também porque eles são estatisticamente falsos.

A cada ano, pesquisas mostram que o vício afeta pessoas de todas as esferas da vida. Embora saibamos que certos grupos podem ser mais suscetíveis, no geral, não existe um tipo único de pessoa com maior probabilidade de ser um “viciado”.

Um vez tratado, o vício desaparece para sempre

Quanto mais aprendemos sobre o vício, mais entendemos que é uma doença crônica complexa que exige cuidados e tratamento por toda a vida.

Embora se acreditasse que alcançar a sobriedade física poderia colocar o indivíduo de volta no caminho certo, agora sabemos que os aspectos psicológicos do vício são a chave da recuperação. Tratar a mente, no entanto, não é tão direto quanto curar o corpo.

Os profissionais de dependência de hoje sabem que estressores psicológicos podem surgir e desencadear recaídas mesmo após anos de sobriedade bem-sucedida.

É essencial reconhecer que o vício não tem uma cura única. Dessa forma, podemos equipar os pacientes para melhor prevenir e gerenciar esses estressores.

A prescrição de medicamentos é menos perigosa do que drogas ilícitas

Confiamos nos médicos para nossa saúde e bem-estar, por isso é natural presumir que medicamentos prescritos não sejam prejudiciais.

E, em geral, os medicamentos prescritos são seguros quando eles tratam uma preocupação legítima de saúde e são usados ​​de acordo com as instruções e advertências de seu médico.

Alguns medicamentos têm substâncias poderosas e compostos químicos semelhantes às drogas de rua. Quando mal utilizados, são tão prejudiciais quanto as drogas ilícitas.

O abuso de medicamentos prescritos é caracterizado por tolerância rápida, na qual o indivíduo requer doses mais altas para atingir o efeito desejado. A tolerância leva à dependência e ao vício e a um maior risco de overdose, à medida que os indivíduos tomam doses cada vez maiores e mais perigosas.

É essencial levar a sério os medicamentos prescritos e usá-los com cautela.

O tratamento da dependência deve “assustá-los”

Quando você vê centros de tratamento que prometem uma experiência de reabilitação confortável e relaxante, você pode se perguntar se esses lugares realmente levarão seus clientes a levar a recuperação a sério.

É fácil achar esse tipo de tratamento muito suave e sentir que o tratamento para dependentes deve realmente fazer com que as pessoas entendam toda a extensão do que “fizeram de errado”.

No entanto, os especialistas sabem que o vício é baseado em compulsão e as intervenções baseadas no medo, na vergonha ou nas consequências não são mais consideradas um meio eficaz de tratamento.

Algumas pesquisas sugerem que os sentimentos de vergonha na recuperação estão ligados a uma maior probabilidade de recaída e que a culpa internalizadora ou a baixa autoestima também dificultam o controle do vício.

Em vez disso, o tratamento eficaz do vício deve apoiar, focar no empoderamento e ter como objetivo reconstruir relacionamentos essenciais com os entes queridos.

Em nossa era moderna de informações compartilhadas rapidamente, é essencial que o conhecimento que aprendemos e espalhemos seja preciso e atualizado.

Quando caímos em velhos estereótipos sobre o vício ou fazemos julgamentos sobre como é a recuperação, tornamos mais difícil para a sociedade como um todo falar sobre o vício de uma maneira saudável e produtiva.

Mitos como os discutidos aqui perpetuam o problema do abuso de substâncias e impedem que as pessoas que sofrem de vício recebam o apoio e a compreensão de que precisam para curar. Mas quando trabalhamos juntos para aprender a verdade, mudamos o diálogo e abrimos espaço para uma mudança amplamente impactante na forma como tratamos e, finalmente, impedimos a doença do vício.

 

Se você ou algum ente querido precisa de ajuda, entre em contato conosco! Nós podemos ajudá-lo!

 

Fonte: https://clinicajequitiba.com.br/5-mitos-comuns-sobre-a-dependencia-quimica/

 

Leave a Reply

Facebook