Usuário X dependente: qual a diferença?

Usuário X dependente: qual a diferença?

 

Existem muitas dúvidas quanto ao uso de drogas de forma recreativa e dependente, inclusive, muitos dependentes se escoram na afirmativa de que são apenas usuários recreativos da substância, justamente para não reconhecerem que estão viciados e precisam de ajuda.

Mas sim, existem alguns fatores que diferenciam uma pessoa usuária de uma dependente, e é sobre esses fatores que falaremos no texto abaixo. Tem interesse por esse assunto? Então continue lendo e tire todas as suas dúvidas. Boa leitura!

Usuário ou dependente de drogas?
Antes de qualquer coisa, é importante deixar claro que nem todo usuário vai se tornar um dependente químico, mas que todo dependente químico já foi um simples usuário. Ou seja, não tem como ficar “imune” quando se está inserido nesse mundo.

A iniciação no mundo das drogas é parecida (ou até mesmo igual) para ambos. Experimentando uma substância psicoativa seja por curiosidade, pressão social, ou até mesmo o desejo de sentir coisas novas e criar uma nova realidade. A partir disso, caso tenha gostado da sensação provocada pela droga, é comum que passe a fazer uso da mesma em ambientes que sejam favoráveis para isso. No entanto, o consumo da substância em nada altera a forma como o indivíduo conduz sua vida, seus compromissos profissionais, sociais e pessoais.

Como já citamos, essa é a forma como quase todas as pessoas são iniciadas no mundo das drogas. O que difere o usuário do dependente é o caminho que tomam a partir daí.

A mudança de usuário para dependente
O primeiro sinal de que o uso de drogas está se tornando uma dependência é a ruptura de laços sociais, seguido por mudanças comportamentais. Em outras palavras, se perde o controle do uso da substância, ou melhor, o controle pelo desejo do uso da substância. Se antes o indivíduo fazia uso da droga apenas em espaços que fossem favoráveis para isso, agora o que fala mais alto é a sua necessidade pelo efeito que a droga pode causar em seu corpo.

E, como bem sabemos, com o passar do tempo e o aumento do uso, a droga vai “perdendo” a força do efeito, fazendo com que o dependente precise de doses cada vez maiores, tornando-se completamente viciado e controlado pelos seus impulsos em busca da substância. Assim, o dependente acaba perdendo o poder que detinha sobre seu comportamento.

A partir disso, é comum que ele passe a cortar seus vínculos familiares, afetivos e até mesmo comprometa os profissionais. Não são poucos os casos de pessoas que perderam seus empregos porque simplesmente não conseguiam mais ir até o local de trabalho, pois estavam imersas no mundo do consumo de drogas.

A distinção e o tratamento
Como já dissemos anteriormente, nem todo usuário é dependente, mas todo dependente já foi usuário um dia, e quando se é usuário, se assume no mínimo o risco de tornar-se dependente. Dessa forma, fazer a distinção entre usuários e dependentes químicos é crucial para saber que tipo de tratamento aplicar a um e a outro, quando solicitado, é claro.

Fonte: gruporecuperandovida

Leave a Reply

Facebook